AgendaCultura.

“Tudo O Que Você Podia Ser” ganha pré-estreia em Salvador com presença de protagonista

A exibição com debate acontece na terça-feira (18) no Cine Glauber Rocha

Distribuído pela Sessão Vitrine Petrobras, “Tudo O Que Você Podia Ser” ganha sessão especial em Salvador, na terça-feira (18), às 19h, com presença especial da protagonista do longa, Aisha Brunno. A exibição acontece no Cine Glauber Rocha, com debate após sessão. O cinema está localizado na Praça Castro Alves, 5. Dirigido por com direção de Ricardo Alves Jr., o filme tem estreia nacional marcada para o dia 20 de junho.

A obra, que foi premiada na 25ª edição do Festival do Rio e que venceu o prêmio de melhor filme do público no mais recente Festival MIXBRASIL, é produzida pela EntreFilmes e pela SANCHO&PUNTA e tem distribuição da Sessão Vitrine Petrobras em pelo menos 20 cidades de todo o Brasil, através do Programa Petrobras Cultural. O longa chega aos cinemas com preços reduzidos, acompanhado de debates, sessões especiais e eventos com a presença dos diretores e equipe do longa.

Gravado entre dezembro de 2021 e março de 2022, em Belo Horizonte, o longa-metragem é o trabalho mais recente de Ricardo Alves Jr., que transita na criação entre o teatro e o cinema, e que por esse filme ganhou o prêmio de melhor direção na sessão Novos Rumos da 25ª edição do Festival do Rio. Após os elogiados filmes “Elon Não Acredita na Morte” (2016), “Vaga Carne” (2019) e “Quem Tem Medo?” (2022), dessa vez, Ricardo convidou as atrizes Aisha Brunno, Bramma Bremmer, Igui Leal e Will Soares, quatro artistas com reconhecida trajetória no teatro de Belo Horizonte, para protagonizarem um filme em que novos olhares e narrativas sobre as vidas de pessoas LGBTQIAP+ pudessem ser retratados nas telas. O longa teve sua estreia mundial como o filme de abertura do prestigiado Festival Internacional de Cinema Queer Porto, em Portugal.

No longa, o público acompanha o último dia de Aisha em Belo Horizonte, uma despedida que se desenrola na companhia de suas melhores amigas: Bramma, Igui e Will. Através das interações cotidianas entre as personagens, o filme oferece um retrato afetuoso da família que escolhemos construir por meio do valor da amizade, mesclando elementos ficcionais e documentais em seu roteiro, aproximando o público de forma sensível e intimista às histórias de cada personagem.

Temas como comunidade, HIV, afeto e sexualidade estão entre os assuntos abordados nas cenas. Alguns diálogos foram improvisados no set, partindo de indicações da direção e do roteirista Germano Melo. A partir das experiências vividas por essas quatro amigas, o filme tece um retrato particular da cidade de Belo Horizonte, com cenas gravadas em diferentes bairros e regiões da cidade, como Aglomerado da Serra, Bonfim, Centro, Lagoinha e Santa Tereza, construindo diferentes imagens desse espaço urbano.

Segundo o diretor Ricardo Alves Jr., “Tudo O Que Você Podia Ser” é muito mais do que apenas um filme, é um manifesto sobre o cuidado, a amizade e o pertencimento. O filme surge em um contexto especial, que se sobrepõe aos desafios sociais e pessoais vividos no Brasil nos últimos anos. O cineasta explora temáticas relacionadas com a sobrevivência à intolerância e afirmação das subjetividades em um ambiente onde a comunidade LGBTQIAP+ ainda enfrenta uma dura realidade. O trabalho é uma ode à resiliência, à capacidade de enfrentar a adversidade e florescer em um ambiente que muitas vezes é hostil.

A música “Tudo O Que Você Podia Ser”, clássico do Clube da Esquina na voz de Milton Nascimento, que dá título ao longa-metragem, foi regravada especialmente para o filme pela cantora Coral, artista baiana radicada em BH, expoente da música popular brasileira na atualidade e uma das vozes da diversidade no Brasil.

Fechar