Cultura

Escritor baiano Marcelo Ricardo é o novo convidado da coluna mensal dedicada à literatura contemporânea brasileira no site do Itaú Cultural

O novo convidado da coluna mensal do site do Itaú Cultural – Encontros com a nova literatura brasileira contemporânea, no dia 11 de novembro, é o escritor baiano Marcelo Ricardo. Idealizada pelo Núcleo de Comunicação da organização, nela, o público tem contato com novos autores da cena literária no país, podendo conhecer a sua trajetória e obra.

Dessa vez, além de alguns poemas de Marcelo, será publicado também um de seus vídeos poemas, já que essa mescla da escrita com o audiovisual é parte de seu trabalho. Neste ano, ele lançou Aos Meus Homens, seu livro de estreia em poesia, parte do projeto multimídia Adé, que busca, através das referências de comunidades formadas nos terreiros, falar sobre as relações entre homens.

O baiano já participou de diversas antologias poéticas, como o Projeto Enegrescência, de 2016, Sarau da Onça, de 2017, e Editora Organismos, entre 2017 e 2018. Ele é graduando em Comunicação Social, pela Universidade Federal da Bahia, e Bacharel em Humanidades, pelo Instituto de Humanidades, Artes, Ciências e suas Tecnologias – Milton Santos (IHAC). Poeta e Contista, venceu o concurso nacional da Juventude Literária da Editora Malê, no Rio de Janeiro.

A coluna

A responsável pela curadoria dos primeiros cinco textos da coluna é a pesquisadora e professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Fabiana Carneiro da Silva, cuja tese de doutorado analisa a maternidade negra no aclamado livro de Ana Maria Gonçalves Um Defeito de cor. Ela é também criadora do projeto Tessituras negras, um ateliê de leituras literárias e práticas pedagógicas afro referenciadas.

As obras selecionadas na coluna são escolhidas a partir de material já publicado dos autores ou feitas especialmente para esta publicação. Fabiana faz a seleção por região, garantindo, além de diversidade de temas, estilos e gêneros, uma pluralidade de paisagens, sotaques e histórias.  Entram nos critérios de escolha a qualidade estética, a diversidade de perspectivas sociais e o engajamento político-social dos trabalhos, levando em conta, autoras que ainda têm pouca visibilidade no campo literário. Nas duas edições passadas, a coluna apresentou a alagoana Kika Sena, as indígenas, uma do povo Mucuxi, do Rio Grande do Sul, Julie Dorrico, e outra Vãngri Kaingáng, da aldeia de Ligeiro, no mesmo estado, além da mineira Carol Fernandes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também...

Fechar
Fechar